Ab Lucem »

Lost Stars – Adam Levine, filme ‘Begin Again’

February 1, 2015 – 3:42 am |

Alguns anos separam meu último post neste que um dia chamei de ab lucem. Recebi e-mails solicitando novos textos, reclamações, perguntas do ‘porque parei’. O fato é que não andava muito inspirado a escrever. Bem, …

Read the full story »
Ab Lucem
Fotografia
Opinião
Nao Verbais
Cinema
Home » Musica, Uncategorized

O ‘voz de bourbon’ – Tom Waits

Submitted by on July 4, 2010 – 5:20 pmNo Comment

‘Uma voz como que empapada em um tonel de bourbon’, assim definia um crítico este brilhante cantor e compositor americano. Adepto de um estilo experimental, algo próximo ao blues em muitas músicas, Tom Waits ganhou espaço no mundo inteiro pela sua qualidade musical e a própria peculiaridade de sua voz.

Acredito que com o decorrer de sua idade tenha se aproximado cada vez mais de influências da música negra americana, em especial o Blues. Tentarei postar algumas de suas músicas que considero mais belas em posts seguintes, mas gostaria de reservar este para uma pela qual tenho especial carinho: ‘Ol 55.

Procurando por versões dessa música na internet, deparei-me com uma deliciosa explicação do próprio Tom sobre como desenvolveu a música. Uma história deveras interessante que posto abaixo:

Para aqueles que não entendem inglês, explico a história. Tom Waits conta que estava em um hotel (Tropicana) e recebeu a visita de um amigo seu chamado Larry Beezer tarde da noite, algo como 2 da manhã, e lhe disse:

– Estou com uma garota, saindo com ela, e ela só tem 17 anos e tenho que levá-la de volta para Passadena. O problema é que o que sobrou do meu carro é a marcha ré.

Tom responde:

– Ok, como posso ajudar?

– Preciso de dinheiro para o combustível.

Tom segue explicando que Beezer lhe vendeu algumas de suas piadas, dizendo-lhe que podia dizer a qualquer um que eram dele (de Tom), ‘afinal você pagou por elas’.

– Parece-me um excelente negócio.

Então lá vai Beezer, em marcha ré, na Passadena Freeway (na pista lenta), todo o caminho de volta.

– Acho que deveriam dar algum tipo de prêmio para este tipo de coisa – segue Tom.

O carro? Era um Cadilac 1955… Um velho (old = ol’ 55)…

Ouvir a história contada por sua própria voz, entretanto, é muito mais saboroso. Abaixo uma das primeiras versões dessa música, com uma voz bem diferente e mais lento. Não é a minha versão preferida, mas é muito boa. Espero que seja do gosto de vocês.

0 comments
UA-2800362-11